giovanidigesu.com - escolha da equipe

Brasil, a retomada do crescimento – a escolha da equipe

Nesta semana, avançamos na solução do imbroglio político em que nos envolvemos no Brasil. A Câmara dos Deputados manifestou-se e o Senado, nas próximas semanas, também o fará. Com isso, seja qual for a solução do Senado, uma nova equipe de governo assumirá a gestão dos negócios do Brasil.

O(A) Presidente da República está, neste momento, trabalhando em várias frentes. Uma delas é a escolha da equipe com quem governará o país nos próximos 30 meses. Tarefa nada trivial.

Como fazer a escolha da equipe?

Há a dimensão política do processo, fruto do presidencialismo de coalização que caracteriza nosso sistema político, que envolve dar representatividade a aliados que garantirão maioria no Congresso. E, claro, há que escolher um time de MVPs – most valuable players – que estejam à altura dos desafios de curto e médio prazo que o Brasil tem a enfrentar.

Critérios de escolha

É necessário que integrantes da equipe preencham os seguintes critérios:

  1. Necessidades decorrentes do presidencialismo de coalizão;
  2. Atributos de honradez, integridade, etc;
  3. Conhecimento, em profundidade, dos desafios que o país tem no curto e médio prazos;
  4. Capacidade para resolver os desafios.
    • Competência para diagnosticar em detalhe, desenhar soluções que resolvam os problemas concretos do país, planejar a implantação;
    • Capacidade para arregimentar, com rapidez, quadros competentes para executar a implantação;
    • Capacidade de gerir processos (projetos …) complexos de solução de problemas complexos;
  5. Capacidade de mobilizar
    • Capacidade de mobilizar empresários;
    • Capacidade de mobilizar os Executivos Estaduais e Municipais;
    • Capacidade de mobilizar o poder Legislativo;
    • Capacidade de celebrar, com outros países, acordos comerciais bilaterais e/ou multilaterais;
    • Capacidade de atrair investimentos externos;
    • Capacidade de mobilizar a sociedade.

Neste post, convido à análise dos itens 3 e 4 acima – conhecimento em profundidade dos desafios e capacidade de resolvê-los.

Os desafios

Recente matéria publicada no Economist resume os sintomas que estamos a experimentar  – dívida de 80% do PIB, inflação de 10% ao ano, desemprego de 10%, crescimento da massa salarial do Estado em relação à massa salarial do setor privado (!) e PIB negativo em 6%.

Diria a vizinha, gorda e patusca, do Nelson Rodrigues (!) –

“Ora, meu jovem, isso todos já sabemos.”

Exatamente! O(A) Presidente da República deve escolher Ministros que definam os desafios em profundidade, com rapidez e clareza.

  • O que são – tamanho, geografia, gravidade, impacto econômico, impacto social, esfera (federal, estadual, municipal);
  • Relações de causa e efeito – o que dá causa, quem dá causa, quem é atingido, em que extensão, por quanto tempo, gravidade, poderes envolvidos na solução (Executivo, Legislativo, Judiciário),

Convenhamos, são desafios nada triviais, de grande complexidade, cuja solução é premente. Há que ter prática e habilidade para definí-los e resolvê-los. Há que ser muito bom em escolher pessoas capazes.

Formulemos, pois, as perguntas, pela primeira vez –

Quem você escolheria? Quantos você escolheria? Como você organizaria o time? Como presidente, que papel reservaria para si?

Processo políticoO que há a fazer no curto e médio prazos

Diagnosticar é fundamental, executar é vital. A situação é grave, há pressa. Quem chega, tem que concluir a etapa de diagnóstico e planejamento com rapidez e passar à execução, sem delongas.

Imaginemos, portanto, que o diagnóstico detalhado está concluído, com rapidez. O que há para fazer? O que os MVPs terão que executar, para que o país avance?

O Brasil requer ação aguda, rápida e continuada em “três” grandes blocos:

  • “Balanço” do Brasil
  • “Lucros e Perdas” do Brasil
  • “Gestão de caixa” do Brasil

“Balanço” do Brasil

Reestruturação de ativos

  • Privatizar ativos, para que sejam melhor geridos pela iniciativa privada –  federais, estaduais e municipais.
  • Eliminar ativos improdutivos – prédios do Executivo Federal que existem no RJ e SP, por exemplo.
  • Vender ativos para gerar caixa e reduzir passivos – vender os anéis, para preservar os dedos – federais, estaduais e municipais.
  • Gerir projetos existentes com competência, para que o ativo produza o necessário.
  • Interromper projetos que “não cabem no caixa”.
  • Aplicar a lei de responsabilidade fiscal com mão férrea.
  • Intensificar a mão de ferro do compliance no Estado e nos três poderes – níveis Federal, Estadual, Municipal.
  • Atrair investidores nacionais e externos, para participar da reestruturação dos ativos e dos novos investimentos exigidos pelo “plano”.

Reestruturação dos passivos

  • Alongar a dívida.
  • Reduzir o preço da dívida (juros).
  • Eliminar ações que dêem causa a aumento da dívida – bolsa empresário, gestão desastrada de estatais, criação de despesas novas sem correspondente receita para pagá-las, projetos cujo investimento não cabe no caixa.
  • Eliminar “subsídios” – acabar de uma vez com o conceito dos “setores campeões” e “empresas campeãs”.
  • Atrair capital externo.
  • Adequar a “previdência”.
  • Reduzir a inflação (!).
  • Reduzir a corrupção (!).
  • Resolver a educação (!).
  • Resolver a saúde (!)
  • Aplicar a lei de responsabilidade fiscal.
  • Aumentar a eficácia do compliance no Estado e nos três poderes – níveis Federal, Estadual, Municipal.

Formulemos as perguntas, pela segunda vez –

Quem você escolheria? Quantos você escolheria? Como você organizaria o time? Como presidente, que papel reservaria para si?

“Lucros & Perdas” do Brasil

Reduzir despesas –

  • Reduzir o tamanho do Executivo, Judiciário e Legislativo, em $, nas três esferas – federal, estadual e municipal.
  • Eliminar Ministérios, Secretarias, etc, nas três esferas (…).
  • Sair da operação de setores que o Estado é péssimo gestor, com grande potencial de corrupção.
  • Reduzir, onde possível, o tamanho do Judiciário, Legislativo em $.
  • Eliminar red tapes, que não beneficiam o contribuinte.
  • Não criar despesas novas para as quais não haja receita assegurada.
  • Aumentar a eficácia do compliance no Estado e nos três poderes – níveis Federal, Estadual, Municipal.
  • Reduzir a inflação (!).

    Quem faz o quê
    Quem faz o quê
  • Reduzir os impostos (!).
  • Resolver a educação.
  • Resolver a saúde.
  • Reduzir os executivos Estaduais e Municipais. (número de municípios também ?)
  • Aplicar a lei de responsabilidade fiscal.

Aumentar a receita –

  • Celebrar acordos bilaterais e multilaterais que privilegiem o aumento do PIB.
  • Atrair investidores internacionais.
  • Reduzir a inflação (!).
  • Reduzir os impostos (!).
  • Reduzir a corrupção (!).
  • Resolver a educação (!).
  • Resolver a saúde (!)
  • Eliminar red tapes que retiram energia das atividades de produção de riqueza – TODOS.
  • Simplificar o sistema tributário Federal, Estadual e Municipal.
  • Aplicar, com máximo rigor, mecanismo de compliance nas estatais.
  • Aplicar mecanismos de compliance em todo o Estado.

A prática faz a perfeição, dizem. Portanto, formulemos as perguntas, pela terceira vez –

Quem você escolheria? Quantos você escolheria? Como você organizaria o time? Como presidente, que papel reservaria para si?

“Fluxo de caixa” do Brasil

  • Alongar a dívida, por todos os meios possíveis, junto à comunidade financeira local e internacional.
  • Atrair investimento nacional e internacional.
  • Reduzir os juros.
  • Reduzir a inflação.
  • Reduzir impostos (!).
  • Simplificar o sistema tributário.
  • Mudar o conceito de redistribuição de arrecadação na Federação – níveis Federal, Estadual e Municipal.
  • Gerir os negócios do Estado com “um olho no peixe e outro no gato”.
  • Aplicar, com rigor extremo, a lei de responsabilidade fiscal.

Fico a imaginar a vizinha do Nelson Rodrigues, da janela, gorda e patusca, com olhar inquisitivo, a indagar:

“Meu jovem, – já escolheu?
Quem? Quantos? Quem faz o que?
E você – qual o seu papel?”

Published by

Giovani di Gesù

Giovani di Gesù is a partner at Envision Management Consultants.

One thought on “Brasil, a retomada do crescimento – a escolha da equipe”

  1. Brilhante! Eu acrescentaria apenas que os MVPs devem fazer checkin de seus egos na entrada e trabalhar em equipe sem vaidades, ciúmes e preferências pessoais dissociadas do processo de recuperação.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.