Giovani di Gesu - giovanidigesu.com

O conhecimento promove a geração de riqueza

The business of business is business.

Anteriormente, discorri sobre o acompanhamento sistemático de dados, fatos e tendências sobre o “mercado”, indústrias, empresas, seus fornecedores e concorrentes e de que forma organizamos (na Envision) o resultado do processo de curation.

Sigo uma outra linha de estudo focada em práticas de gestão que, hipoteticamente, quando bem usadas no contexto específico de um “ambiente competitivo”, aumentam a probabilidade de produzir mais riqueza.

If I do this, what will happen?

Trata-se de investigação intrincada e interessante de idéias, práticas, pontos de vista, experimentos, políticas de estado, dentre outros ramos do conhecimento, com vistas a criar mais riqueza e oportunidades para indivíduos, empresas, sociedades e nações.

O tema é vasto. Há quase 350 anos (1776, para ser exato), escreviam …

The annual labour of every nation is the fund which originally supplies it with all the necessaries and conveniencies of life which it annually consumes, and which consist always either in the immediate produce of that labour, or in what is purchased with that produce from other nations.

According therefore, as this produce, or what is purchased with it, bears a greater or smaller proportion to the number of those who are to consume it, the nation will be better or worse supplied with all the necessaries and conveniencies for which it has occasion.

But this proportion must in every nation be regulated by two different circumstances; first by the skill, dexterity, and judgment with which its labour is generally applied;*4 and, secondly, by the proportion between the number of those who are employed in useful labour, and that of those who are not so employed.*5 Whatever be the soil, climate, or extent of territory of any particular nation, the abundance or scantiness of its annual supply must, in that particular situation, depend upon those two circumstances.

O autor segue com práticas de organização e gestão do trabalho (e mais adiante, de empresas e nações), que aumentam a probabilidade de mais abundância.

The greatest improvement in the productive powers of labour, and the greater part of the skill, dexterity, and judgment with which it is any where directed, or applied, seem to have been the effects of the division of labour.

O autor é o Sr. Adam Smith e os parágrafos constam de sua obra An Inquiry into the Nature and Causes of The Wealth of Nations.

O Sr. Smith discorre sobre a importância do treinamento e da especialização.

First, the improvement of the dexterity of the workman necessarily increases the quantity of the work he can perform; and the division of labour, by reducing every man’s business to some one simple operation, and by making this operation the sole employment of his life, necessarily increases very much the dexterity of the workman.

indústria mundial de treinamento era estimada (2013) em US$305 bilhões, desconsideradas as indústrias de educação básica, superior, profissionalizante, MBAs, doutorados etc. Nada mal para a idéia da divisão do trabalho e do aumento da qualificação do indivíduo executando um número menor de tarefas mais simples.

O Sr. Smith introduz, dentre outras, uma idéia que, ainda hoje, produz bilhões de dólares de honorários para  management gurus e empresas de consultoria.

Secondly, the advantage which is gained by saving the time commonly lost in passing from one sort of work to another, is much greater than we should at first view be apt to imagine it. It is impossible to pass very quickly from one kind of work to another; that is carried on in a different place, and with quite different tools.

Foco (e limito) minhas investigações a:

  • Business models – definindo, implantando e alterando modelos de negócio, para promover o crescimento.
  • Business technology – changing industries, and business models, through technology
  • Business tools – ferramentas para o executivo e para o knowledge worker, producer, and sales person. Getting s* done.
  • Corporate finance – M&A, valuation, corporate finance, Startups, VCs, Investors, P Equity, funding, etc.
  • Growth – como crescer
  • Knowledge management – gestão do conhecimento, plataformas de tecnologia.
  • Collaboration platforms – plataformas de colaboração para sustentar modelos de negócios no Século XXI.
  • Operations – otimização de estrutura, processos, business technology, para apoiar o crescimento, aumento de receita, otimização operacional, working capital, otimização de ativos, para aumentar o free cashflow.
  • Organisation, and governance – Intellectual capital, performance management, decision rights, compensation, organisation, governance, collaboration, change, leadership.
  • Sales, and marketing – autoexplicativo.
  • Strategy – autoexplicativo.

Muito do pensamento empresarial está sob as sombras de ilusões, ou falácias, que o Sr. Phil Rosenweig batizou de Halo Effect. Em resumo – quando as vendas e resultados de uma empresa estão em crescimento, há uma tendência geral de que sua estratégia seja considerada brilhante, seu CEO ou acionista um visionário, seus funcionários ases da gestão e execução e sua cultura organizacional superior e única. Eventualmente, quando os resultados tornam-se inferiores às expectativas do “mercado”, ou mesmo patentemente ruins, “todos” concluem que estratégia estava equivocada, o CEO era arrogante, os funcionários tornaram-se complacentes e que a cultura organizacional não era “vencedora”.

Esta visão (“comportamento”) bipolar, evidentemente equivocada, parte da idéia (falsa) que o resultado determina, em definitivo, a qualidade das práticas de gestão adotadas por quem o produziu, ou, em outras palavras, que práticas que “deram certo” para uma determinada empresa, em uma determinada circunstância, contexto – econômico, competitivo, estágio tecnológico, vantagem momentânea “copiável” – inevitavelmente produzirão resultados superiores, para outra empresa, em outro contexto.

Na história recente, há casos notórios de empresas de destaque bafejadas pelo halo effect. O livro descreve em detalhes o caso da Lego. Há, recentemente, o caso da Avon, da indústria de mineração (Glencore, BHP, Vale, etc), da indústria de petróleo, para ficar nos menos controversos.


Voltaremos a estes temas diversas vezes. Afinal, a pergunta para a qual procuramos resposta é

O que produz, o que leva a uma performance superior?

Voltando ao início …

If I do this, what will happen?

Published by

Giovani di Gesù

Giovani di Gesù is a partner at Envision Management Consultants.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.