Tecnologia, comportamento, relações pessoais, profissionais e negócios

A tecnologia mudou comportamentos e a forma, hora, frequência e canal de interação entre pessoas:

  • Assistir filmes via streaming em casa, em vez de ir ao cinema.
  • Pedir comida via telefone ou um app, em vez de ir a um restaurante.
  • Assistir a 6 capítulos do Game of Thrones na Apple TV, em vez de ir ao teatro.
  • Discutir o momento político no Whatsapp, Telegram, em vez de encontrar os amigos.

Alterou também como interagimos com empresas e como empresas interagem entre si.

Seu negócio está sendo afetado?

Você está sendo afetado?

Learn more – http://industry.envision.consulting

O que faz o sucesso de um negócio

What leads to high performance? What leads to sustainable profitable growth?

Phill Rosenweig, The Halo Effect

O Santo Graal da gestão empresarial consta da resposta às perguntas acima.

A Amazon, ao longo de 23 anos (fundada em 1994), busca seu Graal e os resultados estão aí para quem quiser ver. Em 2016, na carta aos acionistas, seu fundador e CEO, o Sr. Jeff Bezos, descreve sua visão do Graal:

  • Obsessão com os clientes.
  • Resistir ao embevecimento com a atividade meio e focar nos objetivos e resultados.
  • Abraçar as tendências externas.
  • Alta velocidade para decidir.

Leia, abaixo, direto da fonte, no original.

Tempo de leitura — importante.


Jeff, what does Day 2 look like?”

That’s a question I just got at our most recent all-hands meeting. I’ve been reminding people that it’s Day 1 for a couple of decades. I work in an Amazon building named Day 1, and when I moved buildings, I took the name with me. I spend time thinking about this topic.

“Day 2 is stasis. Followed by irrelevance. Followed by excruciating, painful decline. Followed by death. And that is why it is always Day 1.”

Continue reading O que faz o sucesso de um negócio

O Santo Graal

Saints engage in introspection, while burly sinners run the world.

Jonn Dewey

Uma parte do meu tempo (e não é pequena) é dispendida em diálogos e interações, ao longo de meses, com pessoas muito inteligentes, capazes e experimentadas, sobre o que fazer, como, para obter resultados muito diferentes (melhores).

A indefectível busca do Santo Graal — “what, in my specific circumstance, in the foreseeable future, will cause lasting, great, business performance?

Uma parte das interações são bem sucedidas — receitas crescem, produtos são lançados com grande sucesso, lucros crescem expressivamente, mercados são conquistados, concorrentes são batidos, dividendos gordos distribuídos.

Outras, nem tanto.

Há alguns meses, enquanto aguardava um vôo atrasado, engajei-me em uma troca de idéias sobre um cliente, que almeja crescer, aumentar lucros e geração de free cash flow, enfrentando uma concorrência cada vez mais agressiva. Surprise, surprise.

Usando a estrutura “Situação | Complicação | Alternativas | Recomendações”, chegamos aos principais desafios e às consequências de nada fazer.

Para cada objetivo — crescer, aumentar lucros, aumentar o free cash flow, etc — alternativas foram surgindo, rápidas. Meu interlocutor, ensimesmado, ouvia atento e mexia-se, inquieto.

Então, como na figurinha, começa o calvário do escrutínio das possíveis recomendações, que, a cada tentativa, são contraditadas, com vigor (!), com os indefectíveis “mas …”. Dezenas, vigorosos — uns acompanhados de riso nervoso, outros de trejeitos *you don’t get it*.

“Mas você precisa entender que …”

“Ah, mas isso não vai funcionar …”

“Ih, eles jamais aceitarão isso …”

“Mas eles não trabalham dessa forma …”

“Mas prá isso, eles vão ter que mudar …”

“Essa idéia é muito agressiva. Jamais será aceita …”

“A idéia é ótima, mas se a mencionarmos, enfrentará grande resistência …”

“Na cultura deles, isso não não vai funcionar …”

“Mas, se a gente disser isso, ficará patente que a atual estratégia precisa ser alterada …”

Fui salvo pela chamada pelo sistema de som …

“Atenção, Senhores passageiros, essa é a chamada, para o vôo XYZW, com destino à São Paulo, aeroporto de Congonhas …”

Como acabou essa história? Saberemos nos próximos meses, no Twitter, ou nas páginas de economia, seção Empresas.

O vôo foi tranquilo. ⛈


Learn more – growth.envision.consulting

 

Contabilidade criativa, KPIs açucarados, remuneração e desempenho empresarial

Salta aos olhos o crescente uso da “contabilidade criativa” para criar a aparência de desempenho superior  por players dos mais diversos setores.

O fenômeno é global.

Há empresas de porte, mundo afora, com pacotes de remuneração por “resultados gerenciais”, que incentivam ações de gestão contrárias aos interesses de seus acionistas e investidores.

Na Inglaterra, a nova Primeira Ministra escolheu o tema como prioridade, no esteio do Brexit. O tema frequenta a imprensa especializada e reuniões de conselho.

Defendo uso limitadíssimo de indicadores gerenciais. Recomendamos o uso de Indicadores baseados nos conceitos GAAP — generally accepted accounting principles.

O caso do Wells Fargo, banco de varejo Americano de destaque, ilustra as consequências desta prática.

O artigo How accounting tricks distort the equity market resume o tema. Fonte: Valuewalk

Programas de remuneração, por definição, presumem alinhamento com os interesses dos investidores. O uso de “indicadores gerenciais” tem ferido esse princípio. Nossa posição é clara e inequívoca.

Este artigo, ligeiramente modificado, foi originalmente publicado no linkedin.

E agora, José? What is next?

E agora, José? What is next?

Estamos trabalhando mais horas, a tecnologia está mudando o mundo, “software is eating the world“, blá blá blá.

A produtividade da economia não aumenta.

Nossa “missão e visão” empolgam, nossos objetivos são crystal clear, executamos, com sucesso (!), nosso projeto de “convergência estratégica”, com nosso consultor “du jour”.

A produtividade da economia não aumenta.

Redesenhamos processos, nossa gestão é “participativa” (bah!), fizemos assessments e tropeçamos em líderes high potential nos corredores.

Os números teimam em apontar para baixo (!).

Dirá a vizinha gorda e patusca do Nelson Rodrigues, aboletada da sacada:

“Ora, meu jovem, no Brasil é óbvio o que acontece. Não tem lido os jornais? Perdestes a coluna do Nelson no Jornal dos Sports?”

OK. Mas … e lá com os irmãos do Norte – Bretanha, Germânia, Francônia, Japão, US of A, para citar os mais votados?

A produtividade continua estagnada.

Até juros negativos (!) já estão praticando e nada. O artigo discute o assunto. Recomendo.


thoughtfulreasoning.com - jobs

No Brasil, melhoramos. OK – um “tiquitito”.

Há – evidentemente – muito a fazer e não há tempo a perder. Temos responsabilidades com nossas famílias e com as gerações futuras. Há um país por reconstruir, cheio de oportunidades, que espera, exige, que façamos o que é preciso.

O Brasil tem novo começo

Está formalizado, neste 31 de Agosto de 2016, o início da etapa de recuperação do Brasil. Temos uma agenda extensa, rumo a nossos objetivos, que envolvem, entre outras, as seguintes iniciativas:

  • Vendas de ativos, retomada de concessões, renegociações de dívidas com estados e municípios, atração de investidores externos, privatizações, retomada de investimentos dos empresários locais
  • Reestruturação da dívida interna e ações diversas que resultem na redução dos juros, rearranjos da previdência.
  • Ações que aumentem a confiança de investidores locais e internacionais, que levem à retomada o crescimento e, com isso, aumento da arrecadação, aumento do emprego.

    Brasil, o recomeço - giovanidigesu.com
    Brasil, o recomeço – giovanidigesu.com
  • Redução do tamanho do estado, níveis federal, estadual e municipal, aumento de sua produtividade e consequente redução de despesas, que combinadas com o crescimento da economia e subsequente aumento da arrecadação, interromperão o crescimento da dívida.
  • A combinação destas, somadas a outras iniciativas em discussão, devem produzir a desejada redução da inflação para metade dos níveis atuais, seguida, em paralelo, da redução do maior patamar de juros do mundo ocidental para valores mais republicanos.

Discutimos prioridades, nosso papel e o plano preliminar para entregar estes resultados nos últimos meses aqui neste forum. Passemos, pois, a entregar nossos compromissos com a sociedade e as gerações futuras. O governo já vai, ainda hoje, ao G20 e manterá também reuniões bilaterais com Espanha, Emirados, China e outras nações, o que é congruente com o que precisamos.

Nossa tarefa é enorme e requer ativa participação de todos nós – empresários, profissionais e executivos. Estamos otimistas. Vamos ao trabalho!

25 anos de Internet transformaram o mundo

Netscape, Internet Explorer, Yahoo, Webvan, Smartphones, tablets, Appstore, iTunes, IOS, Android, Google, Dropbox, Onedrive, SMS, Skype, Twitter, Facebook, linkedin, apps, Über economy, Instagram, business model desintermediation, e-commerce, Amazon, MOOCs, Dollar Shave Club, FaceTime, WhatsApp, fintechs, Bankline, cloud computing, Office365, Google docs, AWS, Google Drive, Onedrive, Salesforce, WordPress, Safari, Chrome, Todoist, Evernote, Snapchat, Kindle, Youtube, Netflix, Pokemon Go, Waze, Google Maps, 99Taxi, Pinterest, …

giovanidigesu apps 25 years of internetÉ uma lista incrível! Nada disso existia há 25 anos.

Há 25 anos, Sir Timothy Berners-Lee tornou publicamente disponíveis os primeiros servidores web, criando o que hoje conhecemos como a world wide web (expressão meio desatualizada, reconheço).

Por volta de outubro de 1990, usando um computador NeXT (O Lord de Cupertino já estava envolvido. Será que sabia? Acho que não!) havia concluído as três tecnologias que, até hoje, servem de base para a web:

  • HTML – HyperText Markup Language, a linguagem de formatação da Internet
  • URI – Uniform Resource Identifier, o “endereço” usado para identificar cada dispositivo na web, hoje conhecido
    como URL.
  • HTTP – Hypertext Transfer Protocol, o protocolo que contém as regras de transferência de arquivos (texto, imagens, som, video e outros objetos multimedia) na web.

O primeiro browser era text-only (!). Aqui o artigo que Sir Tim publicou em 6 de Agosto de 1991, em um newsgroup, divulgando o lançamento da web.giovanidigesu - 25 anos de Internet

O primeiro parágrafo é uma pequena mostra da infinidade de tecnologias, negócios e mudanças que surgiram desde que esta idéia deixou os muros do CERN. Espetacular!

Esse post é a homenagem que, modestamente, presto à uma das invenções mais importantes da história moderna.

Sir Timothy Berners-Lee, cheers!

O Lord de Cupertino e a nuvem de Bezzos – 30 anos em 1 minuto …

Uma versão deste post, ligeiramente modificada, foi publicada no linkedin em 04/08/2016.

Nas décadas de 70 e 80, nós, de operações, começávamos a usar os fabulosos “mainframes“, para automatizar os “menial tasks“, repetitivos, cansativos e sujeitos a erros, que consumiam nosso tempo. Fazer algumas simulações simples era, agora, uma realidade de algumas horas, uma ou duas tardes mais longas, ou de um Sábado de chuva.

No início da década de 90, o que tinha vindo para aliviar a rotina, havia transformado-se em uma hidra complexa, difícil, cara, custosa de se manter.

Fugíamos dos projetos de IT, pois sabíamos onde começavam – as famosas reuniões para “obter o buy in do top management” – mas não sabíamos quando terminavam.

A “sopa de letrinhas” havia tomado conta do verbo diário, já totalmente dominado pelo jargão anglo-saxão – management, buy-in, change management, reengineering, process re-design (!), project steering committees. E os KPIs? Bah!

Uma nova categoria profissional havia surgido e ascendido meteoricamente. Todos frequentavam as famosas “academias“, onde aprendiam a “configurar e a “customizar” módulos e a operar as tais “ferramentas” (!), usando “tool boxes“.

Abrir uma nova filial não era mais algo comandado por operações, mas por uma “task force” (!). O ERP, não raro, era o caminho crítico, pondo clientes, fornecedores, transportadores, RH, vendas, manufatura e operações em obsequiosa espera, aguardando a “conversão”, depois das infindáveis “training sessions” no novo (?) módulo fiscal.

O Lord de Cupertino, seu iPhone e sua postura de passar ao largo da “igreja corporativa”, aos poucos, nos trouxe de volta, embalados pela leveza da núvem de Bezzos, aos anos românticos da década de 70 e 80.

O Lord de Cupertino, em uma célebre entrevista, circa 2008 ou 2009:

“Our business model is, really, very simple.
We don’t like corporate – they’re too complex.
We’re simple people.
Our focus is you – we build this fabulous technology for you.
It just works. You get to take a vote everyday.
You like it – you buy it. You don’t like it, don’t buy it.
It is that simple.”

O que é mesmo “big data”? Who cares?

Viva!!

 

Desintermediando seu modelo de negócios

Venda direta ao consumidor final, sem despesas de TV, sem rede de pontos de venda, menor capital de giro, com maiores margens –

A Unilever acaba de pagar cerca de 1 bilhão de dólares pelo Dollar Shave Club, uma empresa de 5 anos, que faz venda direta ao consumidor final de produtos masculinos para barbear e higiene pessoal. Por que? Para, concretamente, capturar todas as margens da cadeia de atacado e varejo entre a Unilever e o consumidor final. O sucesso do Dollar Shave Club, na opinião do CEO da Unilever, “é uma oportunidade única de aprendizado (!)”. O atacado e o varejo Americano já estudam o assunto, pois, evidentemente, pode retirá-los do jogo em várias categorias de produtos.

A outra idéia interessante é a possibilidade de atender nichos de mercado, com produtos de valor agregrado, com alta margem, como, por exemplo, suplementos alimentares, cosméticos, medicação sob prescrição e OTC para pacientes crônicos. Evidentemente, salta aos olhos a possibilidade de ganhos de expressivos de margem na prospecção, marketing e vendas, com a migração da ações mídia televisiva, de rádio, marketing, merchandising, comercialização para os canais digitais.

Casos começam a surgir mundo afora, com apoio em plataforma web, simplificação expressiva de cadeias de valor, supply chain, otimização de despesas comerciais e resultantes ganhos de margem. Já os temos aqui no Brasil e há muito a fazer.

Interessantíssima oportunidade de negócios, em especial em países com a diversidade e dimensão geográfica do Brasil.

Aaron Wojack for The New York Times
Aaron Wojack for The New York Times

How Companies Like Dollar Shave Club Are Reshaping the Retail Landscape

Setor financeiro 2 x 1 Setor Industrial

Há já algumas décadas, discute-se por aqui o aumento da relevância do setor financeiro em relação à indústria. Globalmente, esse desequilíbrio também é observado e, em vários países, acentua-se em favor do setor financeiro, como é o caso do Brasil.

Com o anúncio das medidas de correção da economia Brasileira, que o Governo interino fará a partir de hoje, o tema retornará à baila, dado o tamanho expressivo da dívida interna e os juros que a remuneram.

how-finance-took-over-the-economy
PHOTOGRAPHER: MICHAEL NAGLE/BLOOMBERG

O artigo discute o tema nos US of A. Voltaremos a isso esta semana, após o anúncio das medidas.

How finance took over the economy

 

Modelos de negócios, novas tecnologias e emprego –

Consultores de outplacement, acadêmicos e a mídia têm discutido a “robotização” da economia e especulado sobre a potencial destruição em massa de ‘postos de trabalho’ mundo a fora.

Se algo há a discutir, é a revolução de setores econômicos inteiros, mundialmente, via a introdução de novos modelos de negócios, somada à aplicação de tecnologia da informação, novas tecnologias de produção e de produtos. Essa tendência é inevitável, a observar o que acontece no Brasil e no mundo e imaginar que há como evitá-la, ou encontrar fórmulas fáceis de ‘amainar’ suas consequências, não é prático. Há, sim, que assumir o protagonismo no assunto, empresas e profissionais.

thoughtfulreasoning.com - jobs

Ilustremos a questão com o caso da Intel. A explosão dos dispositivo móveis e o resultante declínio das vendas de PCs atingiu a Intel profundamente, obrigando-a a, no ano do falecimento de seu lendário CEO, Andy Grove, dispensar 11% de sua força de trabalho – 12.000 pessoas, como indica matéria no New York Times de 19/04/2016.

Outro caso é o do setor de varejo, especificamente, das redes de varejo (department stores). Para retomarem a produtividade de 10 anos atrás, as department stores Americanas precisam fechar 20% das lojas existentes, segundo estudo publicado pela Green Street Advisors. O estudo indica as seguintes percentuais de fechamento de lojas por varejista: JC Penney – 31% (!), Sears – 43% (!), Macy’s – 9%, Dillard’s – 20% (!), Bon-Ton – 15%, Nordstrom 25% (!).

O caso Intel, como o da Sears,  não é um caso de ‘robotização’, mas é mais frequente – disrupção via novos modelos de negócios, novas tecnologias e novos produtos e serviços, com impacto sobre o trabalho.

More – business.models.envision.consulting

Brasil, a retomada do crescimento – a escolha da equipe

Nesta semana, avançamos na solução do imbroglio político em que nos envolvemos no Brasil. A Câmara dos Deputados manifestou-se e o Senado, nas próximas semanas, também o fará. Com isso, seja qual for a solução do Senado, uma nova equipe de governo assumirá a gestão dos negócios do Brasil.

O(A) Presidente da República está, neste momento, trabalhando em várias frentes. Uma delas é a escolha da equipe com quem governará o país nos próximos 30 meses. Tarefa nada trivial.

Como fazer a escolha da equipe?

Há a dimensão política do processo, fruto do presidencialismo de coalização que caracteriza nosso sistema político, que envolve dar representatividade a aliados que garantirão maioria no Congresso. E, claro, há que escolher um time de MVPs – most valuable players – que estejam à altura dos desafios de curto e médio prazo que o Brasil tem a enfrentar.

Critérios de escolha

É necessário que integrantes da equipe preencham os seguintes critérios:

  1. Necessidades decorrentes do presidencialismo de coalizão;
  2. Atributos de honradez, integridade, etc;
  3. Conhecimento, em profundidade, dos desafios que o país tem no curto e médio prazos;
  4. Capacidade para resolver os desafios.
    • Competência para diagnosticar em detalhe, desenhar soluções que resolvam os problemas concretos do país, planejar a implantação;
    • Capacidade para arregimentar, com rapidez, quadros competentes para executar a implantação;
    • Capacidade de gerir processos (projetos …) complexos de solução de problemas complexos;
  5. Capacidade de mobilizar
    • Capacidade de mobilizar empresários;
    • Capacidade de mobilizar os Executivos Estaduais e Municipais;
    • Capacidade de mobilizar o poder Legislativo;
    • Capacidade de celebrar, com outros países, acordos comerciais bilaterais e/ou multilaterais;
    • Capacidade de atrair investimentos externos;
    • Capacidade de mobilizar a sociedade.

Neste post, convido à análise dos itens 3 e 4 acima – conhecimento em profundidade dos desafios e capacidade de resolvê-los.

Os desafios

Recente matéria publicada no Economist resume os sintomas que estamos a experimentar  – dívida de 80% do PIB, inflação de 10% ao ano, desemprego de 10%, crescimento da massa salarial do Estado em relação à massa salarial do setor privado (!) e PIB negativo em 6%.

Diria a vizinha, gorda e patusca, do Nelson Rodrigues (!) –

“Ora, meu jovem, isso todos já sabemos.”

Exatamente! O(A) Presidente da República deve escolher Ministros que definam os desafios em profundidade, com rapidez e clareza.

  • O que são – tamanho, geografia, gravidade, impacto econômico, impacto social, esfera (federal, estadual, municipal);
  • Relações de causa e efeito – o que dá causa, quem dá causa, quem é atingido, em que extensão, por quanto tempo, gravidade, poderes envolvidos na solução (Executivo, Legislativo, Judiciário),

Convenhamos, são desafios nada triviais, de grande complexidade, cuja solução é premente. Há que ter prática e habilidade para definí-los e resolvê-los. Há que ser muito bom em escolher pessoas capazes.

Formulemos, pois, as perguntas, pela primeira vez –

Quem você escolheria? Quantos você escolheria? Como você organizaria o time? Como presidente, que papel reservaria para si?

Processo políticoO que há a fazer no curto e médio prazos

Diagnosticar é fundamental, executar é vital. A situação é grave, há pressa. Quem chega, tem que concluir a etapa de diagnóstico e planejamento com rapidez e passar à execução, sem delongas.

Imaginemos, portanto, que o diagnóstico detalhado está concluído, com rapidez. O que há para fazer? O que os MVPs terão que executar, para que o país avance?

O Brasil requer ação aguda, rápida e continuada em “três” grandes blocos:

  • “Balanço” do Brasil
  • “Lucros e Perdas” do Brasil
  • “Gestão de caixa” do Brasil

“Balanço” do Brasil

Reestruturação de ativos

  • Privatizar ativos, para que sejam melhor geridos pela iniciativa privada –  federais, estaduais e municipais.
  • Eliminar ativos improdutivos – prédios do Executivo Federal que existem no RJ e SP, por exemplo.
  • Vender ativos para gerar caixa e reduzir passivos – vender os anéis, para preservar os dedos – federais, estaduais e municipais.
  • Gerir projetos existentes com competência, para que o ativo produza o necessário.
  • Interromper projetos que “não cabem no caixa”.
  • Aplicar a lei de responsabilidade fiscal com mão férrea.
  • Intensificar a mão de ferro do compliance no Estado e nos três poderes – níveis Federal, Estadual, Municipal.
  • Atrair investidores nacionais e externos, para participar da reestruturação dos ativos e dos novos investimentos exigidos pelo “plano”.

Reestruturação dos passivos

  • Alongar a dívida.
  • Reduzir o preço da dívida (juros).
  • Eliminar ações que dêem causa a aumento da dívida – bolsa empresário, gestão desastrada de estatais, criação de despesas novas sem correspondente receita para pagá-las, projetos cujo investimento não cabe no caixa.
  • Eliminar “subsídios” – acabar de uma vez com o conceito dos “setores campeões” e “empresas campeãs”.
  • Atrair capital externo.
  • Adequar a “previdência”.
  • Reduzir a inflação (!).
  • Reduzir a corrupção (!).
  • Resolver a educação (!).
  • Resolver a saúde (!)
  • Aplicar a lei de responsabilidade fiscal.
  • Aumentar a eficácia do compliance no Estado e nos três poderes – níveis Federal, Estadual, Municipal.

Formulemos as perguntas, pela segunda vez –

Quem você escolheria? Quantos você escolheria? Como você organizaria o time? Como presidente, que papel reservaria para si?

“Lucros & Perdas” do Brasil

Reduzir despesas –

  • Reduzir o tamanho do Executivo, Judiciário e Legislativo, em $, nas três esferas – federal, estadual e municipal.
  • Eliminar Ministérios, Secretarias, etc, nas três esferas (…).
  • Sair da operação de setores que o Estado é péssimo gestor, com grande potencial de corrupção.
  • Reduzir, onde possível, o tamanho do Judiciário, Legislativo em $.
  • Eliminar red tapes, que não beneficiam o contribuinte.
  • Não criar despesas novas para as quais não haja receita assegurada.
  • Aumentar a eficácia do compliance no Estado e nos três poderes – níveis Federal, Estadual, Municipal.
  • Reduzir a inflação (!).

    Quem faz o quê
    Quem faz o quê
  • Reduzir os impostos (!).
  • Resolver a educação.
  • Resolver a saúde.
  • Reduzir os executivos Estaduais e Municipais. (número de municípios também ?)
  • Aplicar a lei de responsabilidade fiscal.

Aumentar a receita –

  • Celebrar acordos bilaterais e multilaterais que privilegiem o aumento do PIB.
  • Atrair investidores internacionais.
  • Reduzir a inflação (!).
  • Reduzir os impostos (!).
  • Reduzir a corrupção (!).
  • Resolver a educação (!).
  • Resolver a saúde (!)
  • Eliminar red tapes que retiram energia das atividades de produção de riqueza – TODOS.
  • Simplificar o sistema tributário Federal, Estadual e Municipal.
  • Aplicar, com máximo rigor, mecanismo de compliance nas estatais.
  • Aplicar mecanismos de compliance em todo o Estado.

A prática faz a perfeição, dizem. Portanto, formulemos as perguntas, pela terceira vez –

Quem você escolheria? Quantos você escolheria? Como você organizaria o time? Como presidente, que papel reservaria para si?

“Fluxo de caixa” do Brasil

  • Alongar a dívida, por todos os meios possíveis, junto à comunidade financeira local e internacional.
  • Atrair investimento nacional e internacional.
  • Reduzir os juros.
  • Reduzir a inflação.
  • Reduzir impostos (!).
  • Simplificar o sistema tributário.
  • Mudar o conceito de redistribuição de arrecadação na Federação – níveis Federal, Estadual e Municipal.
  • Gerir os negócios do Estado com “um olho no peixe e outro no gato”.
  • Aplicar, com rigor extremo, a lei de responsabilidade fiscal.

Fico a imaginar a vizinha do Nelson Rodrigues, da janela, gorda e patusca, com olhar inquisitivo, a indagar:

“Meu jovem, – já escolheu?
Quem? Quantos? Quem faz o que?
E você – qual o seu papel?”

Brasil, a retomada do crescimento – prioridades

 

Nesta semana, a transformação do Brasil ganhou momentum, pelos acontecimentos políticos que estamos a acompanhar. O processo segue seu curso natural e, breve, será concluído.

O país está em situação econômica precária — nos encontramos em recessão, a inflação está elevada (!), há preocupações com o nível de emprego e com o deficit do Estado, nas três esferas — Federal, Estadual e Municipal.

A solução do imbroglio político em que nos envolvemos possibilitará que retornemos para o patamar econômico que merecemos.

O país precisa retomar o crescimento. Há, no momento, três prioridades: Continue reading Brasil, a retomada do crescimento – prioridades

Privacidade, um conceito em extinção?

Há tensão crescente mundo afora entre prioridades antagônicas de governos, empresas, imprensa, cidadãos e contribuintes, quanto à privacidade.

Recentemente, caso notório abalou a República e seus efeitos prometem estender-se de modo agudo, por vários anos.

De um lado, o direito à privacidade e de outro, o combate à corrupção. O ‘dilema’ entre privacidade e sigilo fiscal, versus, por exemplo, segurança e (combate à) sonegação. Continue reading Privacidade, um conceito em extinção?

Brasil, a retomada do crescimento e nosso papel como empresários

Nosso país entra na fase política decisiva de sua retomada nestas próximas semanas e, a seguir, o Brasil precisa, rapidamente, reassumir as rédeas de seus negócios, da rearrumação do Executivo e do Legislativo.

O processo de rearrumação do Executivo e Legislativo será longo e, como cidadãos e contribuintes, temos o dever de influenciá-lo e apoiá-lo.

Concluído o rearranjo inicial que está a ocorrer no ambiente político e institucional, empossado o novo governo, há que dar início ao rearranjo das contas, equacionar o caixa do Estado – esferas federal, estadual e municipal, re-orientar a participação do Estado na economia, via privatizações, re-direcionar a atuação dos bancos de fomento, etc. Há, ainda, que iniciar e concluir a reforma do sistema político. Finalmente, precisamos retomar o crescimento. Não é trivial e não é rápido. Continue reading Brasil, a retomada do crescimento e nosso papel como empresários